18/03/2010

Primavera Negra

Para quê flores e pássaros nas árvores
se a primavera ainda (já) está longe?

Para quê sorrisos pendurados nas orelhas
e nas bocas inflamadas dos discursos

se o que se vê é o ódio à flor da pele?
Para quê flores e pássaros e sorrisos?

Vista-se a natureza de espingardas,
de granadas, cujas flores sejam as balas

e cada pássaro uma bomba atómica.
Cresçam nas árvores primaveras negras

como o breu que nos cega e alucina;
e chovam as balas de luto das grinaldas

para festejar a vida que nos mata.
Quando as flores nascerem e os pássaros

e os sorrisos amarelos ressurgirem
que sejam de metal, tenham a cor

das armas que assassinam o futuro:
que a natureza fale de igual para igual.

Domingos da Mota

3 comentários:

  1. Depois dessa, pode ser um conhaque?!

    ResponderEliminar
  2. é, bardo, só mesmo um conhaque, quem sabe dois.

    ResponderEliminar
  3. Caro Domingos,
    Pancada forte!... bem feita!
    Quando faço poemas assim, "pesados", algumas pessoas costuma misturar a poesia (arte) com o poeta (pessoa, eu).
    Houve uma vez em que tive que postar no meu blog uma espécie de "advertência" dizendo que o que meus escritos são literários, não literais etc.
    Acho que as pessoas se negam, às vezes, muitas vezes, a ver o peso do mundo.
    Grande abraço,

    Ivan Bueno
    blog: Empirismo Vernacular
    www.eng-ivanbueno.blogspot.com

    ResponderEliminar